terça-feira, 26 de dezembro de 2017

BERIMBAU AFINADO EM DÓ, RÉ OU SOL


"No uso do berimbau dentro da tradição da capoeira, os elementos sonoros a serem levados em conta são as duas notas de corda, quando percutida com o vintém encostado à corda (aguda) e a corda solta (grave); o repique devido ao fato de encostar o vintém (ou pedra, ou arruela) de leve contra a corda, uma espécie de enfeite dessas duas notas principais; e o uso do caxixi. Aliás o repique é interessante, pois o instrumentista, apesar da ausência de conhecimento musical teórico, com sua intuição e criatividade adorna as duas notas básicas com o chiado do repique. Na grafia leva-se também em conta que, ao fazer o repique, a cabaça se encontra colada ao corpo do instrumentista, e quando damos a nota grave, ou aguda, afastamos mais, ou menos do corpo, criando uma modificação sonora.
O berimbau é um caso interessante, pois tem a possibilidade de misturar o “som indeterminado” com o “determinado”. Na capoeira ele é usado com o som indeterminado, mas pode-se afinar o berimbau para que sua nota grave emita uma das notas da escala musical – um dó, ou um ré, ou um sol etc.-, e este som determinado, misturado ao do repique do caxixi, indeterminados, proporciona uma riqueza de recursos bastante interessante, criando uma atmosfera fora do comum, além de dar uma constância rítmica muito forte."


Trecho extraído do livro: CAPOEIRA os fundamentos da malícia, autor Nestor Capoeira, editora Record, edição 1992. Página 116.

2 comentários:

  1. Entao gostaria que me explicassem por que o maestro da Orquestra Sinfonica do Teatro Municipal,pedia ao Mestre Parana que tocasse o seu berimbau pelo meio da orquestra,antes das apresentaçoes,para que todos os intrumentos da orquestra fossem afinados A PARTIR DO BERIMBAU DO MESTRE???

    ResponderExcluir
  2. E por que os berimbaus do Mestre Parana tinha as marcaçoes da escala musical normal( as 7 notas)?

    ResponderExcluir